27 de setembro de 2020

Bonding with Aliens

These two scenes are just fantastic! 



When Maria is warning Liz about the kinds of antics that go on in the Eraser Room, we hear concern in her voice. She's worried for her best friend's safety. Liz is not nearly as worried about it. For come reason… Which is interesting… This moment happens past her love epiphany, so I'm sure she wants a private moment with Max, even though he's made it clear that they couldn't be in a serious relationship.


When Liz gets to the Eraser Room, Max is already there… cleaning erasers, of course! Liz feels dejected by his nonchalant attitude, but she knows how he feels about a possible relationship. They have a wonderfully funny exchange about their lives, and then Topolsky shows up, because someone always shows up to interrupt everything they do.



Disclaimer: Written for love, not for profit. The characters do not legally belong to me. They belong to: Melinda Metz


and Laura Burns who created them, Jason Katims who developed them, 20th Century Fox Television and Regency Television who produced them and the WB and UPN who broadcasted them.


Images taken from Google search.

      Elsewhere, Maria was reading a note that Liz had in her locker. A note from Max. It read: "Meet me in the 2nd Floor Eraser Room, 6th Period, Max". “The Eraser room, huh?” Maria thought aloud. Something about that note was terribly unsettling. Maria didn’t like where all of this was going. “Liz, do you know what the 2nd floor eraser room means?” “Of course I know what it means!” Liz said, while she was putting her makeup on. Maria’s face, however, made her question her assumption. “What does it mean?” “It’s where Greg Coleman gave Marlene Garcia that hickey the size of a softball; it’s where Richie Roher and Amanda Lourdes consummated everything...” “OK, Maria, you know what? You’re just making this into something it’s not,” Liz said, dismissing her friend’s stories about that place where everything happened, except cleaning erasers. “Liz, I don’t think you should do this. OK?” Maria insisted. “I mean, we don’t know what can happen. I mean, the guy touched you and you saw into his soul. How do we know what happens if he kisses you? How do we know what it is to be kissed by a Czechoslovakian? You don’t!” “OK, Maria, no one is kissing anyone here. I mean, Max isn’t even the least bit interested in me. You know, he said that things were just like they used to be before. Nothing’s changed.” Maria shook her head. Did Liz really believe that? “He said that,” Liz added. “Oh my God, it’s not just kissing that goes on in the Eraser Room, Liz,” Maria tried to explain. It was her last chance to keep her best friend out of trouble... The last thing Maria wanted was to see Liz hurt. “The Eraser Room does two things: cleans erasers and takes our innocence. Do you know what I mean by "takes our innocence," Liz? The Eraser Room has taken some of the best of us!” She said, before leaving, confident that her warning had taken root.
     Sheriff Valenti was in his office when he heard a slight knock on the door. Agent Stevens stepped in. He didn’t bother waiting for the Sheriff to let him in. Despite the FBI agent’s suave demeanor, and denial of anything abnormal in the waitress uniform, the paper he presented as an excuse to search and remove all his files, let him know that it was indeed blood that stained the uniform. Against his best judgement, he gave his cabinet’s key to the federal agent and got up, leaving with his thermos, saying: “Make yourself at home. I’m going to lunch.” The joke’s on them, he thought, they’re not gonna have the last laugh. That’s for sure! I’m gonna find out what’s really going on here.
     Through his binoculars, Michael saw Valenti coming out of the station with a strange object under his arm. I need to know how much time he will stay out, Michael thought. Only then could he know how to get in his office safely.
     Back in Roswell High, in the second floor eraser room, Max did the only thing he could possibly do in there – clean erasers. The repetitive movements and the buzzing if the motor set Max’s mind free. He wondered if Liz had gotten his message and whether or not she would show up. His wish was conceded when he saw a familiar figure skulking inside through the corner of his eye. Liz closed the door slowly, as so not to attract attention and said, “So, um, this is the Eraser Room. I’ve never been here before,” Her mind was overloading with questions all the way over there. Why did he want to meet her precisely in that infamous room? Had he change his mind about things remaining ‘exactly like they used to be before’? “I just thought we should be somewhere private,” Max said. “Right.” Liz mumbled. Maybe things can change, after all, she thought as she locked the door. “You were right about Topolsky. She isn’t who she appears to be,” Max announced, crushing Liz’s hopes. “Oh.” So much for change, she mused. “She’s been using this office,” he said, referring to the one right below the Eraser Room, “so, I thought we should find out why she’s here.” Max looked at her, hoping to catch her interest. “Yeah,” she said, her hopeless dreams now absent from her voice, if not from her soul. “She has off 6th and 7th period, so we might be here a while,” he mumbled, as she peeked through the vent, realizing he had never been so close to the girl of his dreams. Can she hear my drumming heart, he mused, when she looked briefly at him.
     Meanwhile, Michael was hiding behind the Sheriff’s station, pouring Tabasco sauce over a chicken leg, when he heard a noise. He looked through his binoculars and saw a man in a suit putting two boxes in his trunk. Obviously, something very serious was going on...
     “OK, I’m still confused. If you crash-landed in 1947, are you really 16 or are you like 52 in a 16-year-old’s body? Or do you guys just age differently? I mean, is like 1 alien year equal to 3 human years?” Liz asked. “You’ve thought about this a lot, haven’t you?” Max wondered with a smile, always amazed at her thorough thought process. “Kind of,” she muttered, slightly embarrassed. “Well, we know we came out of the pods in 1989. We just don’t know how long we were there. When we came out we looked like 6 year olds.” “So were you like green?” “Green?” Max echoed, not sure he heard it right. “Before you took human form, were you 3 feet tall and green and slimy?” Liz laughed, slightly embarrassed. “You know, I’m very sorry for asking you that. It’s Maria’s question,” she quickly explained. After what Max had shown her, she couldn’t imagine any such sinister creature. Max smiled: he understood her curiosity. “No, we just always looked like this. Except for the, uh, third eye,” he said, in a deadly serious tone. He looked down at the ground as Liz casually looked over at him. “Right,” she mumbled, seeing him grabbing his shoelace and she leaned forward, staring at the back of his head, inquisitively. Max peeked over and saw Liz‘s expression as she quickly looked away. “Kidding!” He finally said, opening a smile. “Yeah, I knew you were kidding,” she said, not admitting that he had caught her red-handed. She couldn’t help laughing about it. It was a funny joke! “You’re such a jerk!” She said, shoving him playfully. A rattling noise disrupted Max’s fun and he got up, in a haste. Liz, however, didn’t seem to notice it, and continued. “So uh, you really have no idea where you’re from, like what planet, or who your people are besides Michael and Isabel?” “No idea...” He said, in a sad tone. It’s not necessarily sad, Liz thought. She tried to put the best spin on his situation. “Well, that must be kind of freeing in a way.” “Freeing?!” Max was confused, but he waited for her reasoning. “Um, well just with me, you know, my parents own the Crashdown, so everyone in town knows who I am. Like, if I so much as get a haircut, everyone seems to notice, and they have to give me their opinion on it. It kind of makes life claustrophobic.” Max smiled. He had never thought about it that way, but Liz made an excellent point. About her life, of course, but an excellent point, nonetheless. “It’s like, you know, how am I ever supposed to become whoever it is that I’m gonna become while everyone is looking? You know? Sometimes I wish I could just be invisible,” she added. “Sometimes I wish I didn’t have to be so invisible.” Max said. Liz was slightly taken aback by his reply, but there was a deep yearning in his eyes that she couldn’t deny nor disrespect.


                                                        WE WANTTO BELIEVE!

19 de junho de 2020

¡Siempre tendremos Barcelona!

Carlos Ruiz Zafón
FOTO: Leonardo Cendamo

A literatura mundial ficou hoje órfã de um dos seus maiores…

O escritor catalão Carlos Ruiz Zafón deixou-nos, com apenas 55 anos, depois de uma luta de dois anos contra um cancro. Certamente um dos melhores autores contemporâneos, Zafón assinou alguns dos meus livros favoritos. É sua a tetralogia do Cemitério dos Livros Esquecidos (A Sombra do Vento; O Jogo do Anjo; O Prisioneiro do Céu e o Labirinto dos Espíritos). Estes quatro romances catapultaram-no para a ribalta e transformaram-no no segundo escritor de língua espanhola mais lido de sempre.

Nascido em Barcelona em 1964, Zafón sempre quis ser escritor. Ainda jovem, mudou-se para os Estados Unidos (Los Angeles.) Escreveu argumentos para Hollywood, mas foi com a Trilogia da Névoa (O Príncipe da Névoa; O Palácio da Meia-Noite e As Luzes de Setembroque ganhou o seu primeiro reconhecimento no mundo literário. Em 1998, escreveu um romance intitulado Marina, muito querido pelos seus leitores, mas saltou para a ribalta com a publicação d’ A Sombra do Vento, que lhe valeu o Prémio Literário Casino Da Póvoa em 2006, cinco anos após a sua publicação.

Terminou a sua ambiciosa tetralogia em 2016 e, sabe-se, estava a escrever um novo romance. 

Além de ser um fã incondicional de dragões, fruto da sua infância passada em Barcelona, pouco se sabe da sua vida privada. Ele assim o quis. Homem tímido, não se misturava muito com outros do mundo literário, preferindo manter-se no mundo da sua imaginação.

Talvez por ser tão recatado (e deixar a sua obra falar por si) o resto do mundo não fazia a mais pequena ideia da batalha que ele travava há dois anos contra um cancro.

De repente, o mundo leitor ficou órfão de um dos maiores escritores mundiais, que conferiu à cidade de Barcelona um toque mágico, transformando-a um lugar de que nenhum leitor quereria jamais sair se lá estivesse o tão sonhado cemitério dos livros esquecidos. 

Para além de escritor, era compositor e escreveu as bandas sonoras dos seus romances. Nem todos os escritores são assim tão multifacetados!
Já o disse uma vez e volto a dizê-lo: obrigadinho, Carlos, por todos os livros fantásticos que nos deste e por partilhares a tua alma connosco.


1 de abril de 2020

Ensaio sobre a Loucura

“Nos perigos grandes, o temor é muitas vezes maior que o perigo.” 

– Luís de Camões

Estamos todos de joelhos perante o Sars-CoV-2. 

Este vírus paralisou o mundo inteiro e fez disparar as vendas do Ensaio sobre a Cegueira de José Saramago e d’ A Peste do Albert Camus! 

O que é que isto significa para a espécie humana?

Hoje será renovado o estado de emergência que o Presidente declarou no dia 13 de Março. 

Os portugueses já estão em quarentena voluntária há quinze dias

Até à data, já morreram 187 pessoas, 43 recuperaram e ainda há 8.251 pessoas infectadas com o COVID-19. A nível global, há 932.605 pessoas infectadas em 180 países.

Este é o maior pesadelo da Humanidade: um vírus desconhecido, fatal, com um períolo longo de incubação, a viajar num hospedeiro que viaja pelo planeta em 24 horas.

Coronavírus há muitos! A maioria destes vírus tem como hospedeiros animais como morcegos, camelos e pangolins, e provoca constipações simples nos seres humanos. Este é o terceiro depois do SARS e do MERS. Os médicos cedo perceberam que este coronavírus não se comportava como os demais e lançaram o alarme para a comunidade médica.

O que aconteceu depois é história. Os primeiros médicos que reportaram os casos de pneumonia atípica foram desvalorizados, repreendidos e silenciados pelo “Big Brother”. Alguns morreram, outros desapareceram misteriosamente.   

Quando este vírus começou a espalhar-se, o “Big Brother” ludibriou todo o mundo, manipulando os números e assegurando a OMS de que o vírus não era tão perigoso quanto se pensava, o que levou a organização e os países que começaram a ser afectados a não aplicar medidas sérias para travar a doença. 

Enquanto países como a Coreia do Sul e o Japão aplicaram a experiência adquirida com a SARS e a MERS e tomaram as medidas necessárias para lidar com o COVID-19, a região de Macau fechou-se sobre si mesma e conteve rapidamente o vírus. 

Muito se falou sobre a solução encontrada por Macau, mas a realidade é que esta região tem cerca de 640 mil habitantes, sendo mais fácil de implementar medidas robustas como fechar os casinos e as escolas por dois meses, uma quarentena de 14 dias e uso obrigatório de máscaras quando se sai de casa.

O modelo da Coreia do Sul devia servir para o resto do mundo: um político que inspirou confiança nos cidadãos, instituiu a massificação de testes, uma boa higiene respiratória e uma boa higienização das mãos. Claro que nenhum sistema é perfeito e a própria Coreia do Sul tem o seu paciente 31’, mas continua a ser o melhor modelo que se conhece para travar a expansão deste vírus.

Penso que todos podemos concordar que isto não é “só uma gripezinha” nem “um resfriadinho”. Não  ataca só velhinhos. É um vírus dinâmico, que saltou de uma espécie para outra, que se adapta com grande facilidade com mudanças do clima. 

Como é que se trava isto? Começo a perguntar-me se, a esta altura, ainda é possível travá-lo… Ao ritmo a que ele já se espalhou, não sei se ainda será possível contê-lo e erradicá-lo de circulação. É bem que possível que a espécie humana tenha de aprender a conviver com o COVID-19, como tem de conviver com tantos outros vírus mortais. 

O plano de ter o mundo inteiro de quarentena era precisamente de tentar conter e erradicar o vírus. O plano B era tentar contê-lo por tempo suficiente até os cientistas conseguirem encontrar um tratamento ou uma vacina e simultaneamente não entupir os serviços de saúde com vítimas do vírus. O problema grande deste vírus é que não é possível isolar todos os idosos e esperar que fique tudo bem. Muita gente vai adoecer ao mesmo tempo. Os serviços de saúde entupidos’ farão com que os médicos adoeçam e não haja capacidade para cuidar dos outros doentes que já hospitalizados e que também podem sofrer com esta pandemia. 

Muitas vozes se têm erguido na questão que está na mente te todos os cidadãos que ficam em casa impedidos de trabalhar: o que é que vai acontecer à economia? A expressão: “Não podemos morrer do mal, mas também não podemos morrer da cura” já foi usada para impelir os governantes a não paralisarem a economia, sob pena de uma recessão global sem precedentes. 

A pensar na economia, alguns governantes do norte da Europa advogaram algo parecido com darwinismo social — deixar toda a gente ir trabalhar, deixar o vírus propagar-se naturalmente, matando os fracos, poupando os fortes e imunizando os resistentes. A falha desta teoria é que sem pessoas vivas, não há economia que subsista.

A verdade é que a Coreia do Sul já demonstrou que não é preciso paralisar toda a economia, nem manter as pessoas em quarentena permanente. É possível que nenhum país tivesse de adoptar medidas tão extremas. Os cidadãos não teriam de açambarcar papel higiénico e outros bens, todos poderiam sair à rua e trabalhar – contanto que usassem máscaras, se mantivessem a uma distância segura e desinfectassem as mãos. Essa é a combinação que permite atrasar a proliferação do vírus.

O “Big Brother” inventa teorias da conspiração para parecer bem, mente descaradamente sobre o número de mortos, mas qualquer pessoa de bom senso não pode esperar transparência e honestidade dos camaradas de Oceania. Todos os ‘Winston Smith’ que deram o alarme sobre este vírus foram declarados culpados por ‘crimideias’ e transformaram-se em ‘impessoas’. Imagino que os seus restos estejam nas entranhas do Ministério do Amor, enquanto os camaradas de Oceania “ajudam” o resto do mundo a passar por esta terrível crise. O amor do “Big Brother” é ilimitado e pouco a pouco vai engolindo o mundo inteiro. 

Enquanto a Europa é devastada pelo COVID-19, os governantes do norte insistem em mostrar a sua peculiar solidariedade, acusando os países do sul de estarem impreparados para lidar com a crise “por gastarem todo o dinheiro em copos e mulheres”. Outra vez! A Itália e a Espanha têm o maior número de mortes, mas a Holanda e a Alemanha olham para o lado e assobiam, talvez à espera de ter mais uma crise global com a qual possam lucrar, tal como já fizeram com a crise das dívidas soberanas.

Os Estados Unidos serão os últimos a ser atingidos por esta pandemia e, com um arlequim à frente do país, vão sofrer mais do que a Ásia e a Europa juntas. Enquanto o arlequim diverte os cidadãos na televisão, os norte-americanos estão a gozar as férias da Páscoa na Florida. O que ele (e outros como ele) continuam a dizer é que a gripe mata mais pessoas que o COVID-19 e ninguém entrou em quarentena com a pandemia de H1N1. O medo da gripe H1N1 era legítimo: afinal, o vírus era da mesma estirpe da Gripe Espanhola! Mas havia uma vacina e todos os cuidados foram tomados. Mesmo assim, morreu muita gente. O que o arlequim nunca diz aos seus cidadãos é que não há vacina nem anti-virais para o COVID-19. Este vírus é totalmente desconhecido da nossa espécie.  

E o que dizer do Brasil? Aquele papagaio sem penas da presidência grita a toda a gente que vá trabalhar, que o vírus é só um “resfriadinho”, que os seus cidadãos não têm de se preocupar... e é triste ver que os traficantes das favelas têm mais bom senso do que ele
  
Este mapa da Universidade Johns Hopkins tem um registo actualizado do desenvolvimento do COVID-19 pelo mundo e é interessante comparar os números dos vários países e perguntarmos porque é que o Japão e a Coreia do Sul têm aqueles números, sendo que foram dos primeiros países afectados pela pandemia. Quais são as suas práticas, que o resto do mundo devia adoptar?   

Era bom que a DGS tivesse dito a verdade toda aos portugueses desde o início: na ausência de testes e de material de protecção que satisfaça as necessidades de todos os cidadãos, a única forma de combater este vírus é ouvir os pedidos dos médicos e ficar em casa tanto tempo quanto possível, para não sobrecarregar o já frágil SNS.


De resto, o facto da nossa curva não ser igual à da Itália ou da Espanha é motivo de esperança. Os nossos governantes tomaram as medidas necessárias e atempadas para evitar a catástrofe total. A melhor ajuda que podemos dar aos nossos médicos, que estão nas trincheiras desta guerra, não é aplausos, mas sim ficar em casa.

28 de janeiro de 2020

Uma Aventura Sinfónica

No dia 18 de Julho, Portugal vai receber um evento único na Altice arena promovido pela Film Symphony Orchestra S.L.

  

Um projecto sinfónico e visual vai combinar a magia do som com a magia da animação do épico criado por Akira Toriyama, tudo com tecnologia de ponta.

Haverá ainda efeitos sonoros das várias séries de Dragon Ball.

Hiroki Takahashi é o cantor deu voz a vários temas de Dragon Ball: Makafushigi Adventure e Mezase Tenkaichi e de Dragon Ball Z: Cha-La Head-Cha-La e We Gotta Power.

A banda sonora do Dragon Ball (tanto as séries como os filmes) tem a assinatura do lendário Shunsuke Kikuchi.

O preço dos bilhetes para este concerto varia entre os 39 € e os 149 €. 

Os bilhetes mais caros prometem uma experiência VIP com direito a lugares privilegiados, cocktail, brochura edição de coleccionador com a programação do espectáculo e um meet & greet com a estrela do espectáculo, Hiroki Takahashi

2 de dezembro de 2017

Old Promises, New Dreams

The last line we ever hear in "Roswell" is: "I'm Liz Parker, and I'm happy!"


The van leaves Roswell and we never hear from our kids again.

Did you ever wondered what happened to them? Where did they go after they got married? Did they manage to escape the Special Unit? Did they get jobs? Did they stay in the United States or did they get to see the world?


"Promise Kept" is a glimpse of the life of our favorite couple, sixteen years after they left in that van. 

Banner by RoswellOracle




You can read the story here.






         WE HAVEALWAYS BELIEVED!

27 de janeiro de 2017

Batatas Fritas, Yum!

Não há melhor sensação do que poder dar boas notícias… <suspiro de alívio>

Amantes de batatas fritas, regozijem-se!



Há uns tempos atrás, eu profetizei que um dia ainda veríamos a ciência demonstrar que as batatas fritas seriam capazes de curar o cancro… 

Hmm, talvez eu estivesse a ser demasiado exigente com este deliciosos tubérculos, mas a ciência está a dar às batatas fritas o benefício da dúvida no que toca ao seu valor nutricional. Um estudo da Universidade de Granada (que podem consultar aqui = Yummy) concluiu que fritar certos alimentos como as batatas tem certos benefícios nutricionais – desde que a fritura seja feita em azeite virgem extra.  

As batatas cruas são ricas em antioxidantes chamados fenóis. Quando as batatas são fritas em azeite virgem extra – também rico em antioxidantes  a quantidade de fenóis aumenta.   

Como não é difícil de perceber, estas características não se aplicam a batatas fritas do MacDonald's. Para as batatas fritas serem mais saudáveis, deve usar-se batatas frescas, fritá-las em azeite virgem extra (em vez de óleo de girassol) e temperá-las com sal marinho (mais saudável do que o sal refinado).

Experimentem esta receita! 

20 de janeiro de 2017

Democracy vs. Totalitarianism

One of the peculiar phenomena of our time is the renegade Liberal. Over and above the familiar Marxist claim that “bourgeois liberty” is an illusion, there is now a widespread tendency to argue that one can only defend democracy by totalitarian methods. If one loves democracy, the argument runs, one must crush its enemies by no matter what means. And who are its enemies? It always appears that they are not only those who attack it openly and consciously, but those who “objectively” endanger it by spreading mistaken doctrines. In other words, defending democracy involves destroying all independence of thought. This argument was used, for instance, to justify the Russian purges. The most ardent Russophile hardly believed that all of the victims were guilty of all the things they were accused of: but by holding heretical opinions they “objectively” harmed the régime, and therefore it was quite right not only to massacre them but to discredit them by false accusations. The same argument was used to justify the quite conscious lying that went on in the leftwing press about the Trotskyists and other Republican minorities in the Spanish civil war. And it was used again as a reason for yelping against habeas corpus when Mosley was released in 1943.
These people don’t see that if you encourage totalitarian methods, the time may come when they will be used against you instead of for you.


George Orwell - Preface of Animal Farm

11 de dezembro de 2016

Obrigadinho, Carlos!



Todos nós já ouvimos a frase popular: “Nunca conheças os teus ídolos, porque sairás sempre desiludido”. Eu só posso dizer de viva experiência: pobre de quem nunca partilhou o mesmo espaço com alguém que admira. 

Por um qualquer milagre, tive a sorte de estar no sítio certo à hora certa (coisa rara na minha vida, diga-se). 

Para quem não viu o meu último post, o escritor Carlos Ruiz Zafón esteve hoje no Salão Nobre da Academia de Ciências de Lisboa, a falar sobre o seu último romance da saga do Cemitério dos Livros Esquecidos – o escritor que até o Presidente da República estava ansioso por ler! 

Por pura sorte, consegui contactar um amigo da faculdade, a pessoa que me apresentou a este escritor, ao emprestar-me A Sombra do Vento no primeiro ano da licenciatura. Meu Deus, foi mesmo amor à primeira vista! Por um ainda mais feliz acaso, o meu amigo tinha o dia livre e combinámos encontrar-nos para fazer uma peregrinação que todo fã de Zafón teria feito naquele dia. 

Assistir à apresentação d’ O Labirinto dos Espíritos não era um esforço qualquer. A saga do Cemitério dos Livros Esquecidos demorou 15 anos a concluir. Fechou com chave de ouro com O Labirinto dos Espíritos mas, como o próprio autor disse repetidamente, não há um primeiro livro e um último livro; são quatro livros como quatro portas de entrada para esta maravilhosa saga sobre livros e o feitiço mais maravilhoso de todos – a Literatura. 


Obrigadinho amigo pela companhia neste dia glorioso!

¡Obrigadinho por toda la literatura, maestro Zafón!

5 de dezembro de 2016

Zafón em Terras Lusas

O autor da tetralogia do "Cemitério dos Livros Esquecidos" vem apresentar o seu mais recente livro, O Labirinto dos Espíritos a Lisboa. 



Uma oportunidade a não perder!

26 de outubro de 2016

ALMA 2017


Segundo fonte da Agência Lusa, a escritora Maria Teresa Maia Gonzalez foi nomeada para o prémio literário sueco ALMA pelo segundo ano consecutivo. A autora de Lua de Joana, O Guarda da Praia, da colecção "Profissão: Adolescente" e co-autora da colecção "O Clube das Chaves" foi nomeada pelo segundo ano consecutivo para este prémio. 

Justiça seria feita a esta escritora se ela ganhasse. Muitos me dirão que ela não merece o prémio, ou sequer a nomeação, por escrever livros para jovens. Eu acho que escrever literatura infanto-juvenil é uma enorme responsabilidade; moldar as mentes jovens é uma tarefa muito delicada, com efeitos permanentes no desenvolvimento de um jovem leitor.

Espero que Maria Teresa Maia Gonzalez seja agraciada com este prémio. Ela é uma das escritoras não celebradas em Portugal (por algum motivo que eu não compreendo), por isso, era bom que alguém lhe reconhecesse o valor que ela obviamente tem na produção literária nacional.